Essa coleção é muito especial. Trata-se sobretudo de uma homenagem a uma mulher que, além da minha mãe, fez parte da minha vida desde que nasci: Yara, minha avó. Mas muito mais do que uma coleção inspirada nela, são criações sobre as avós do mundo e as suas vidas compartilhadas com netos e netas. Avós biológicas, adotivas, do coração, emprestadas. Tias-avós também. Amores que nos embalam, carregam, confortam e transformam. Duplamente mães, as avós são um presente que ganhamos ao nascer, por mais que elas acreditem que  quem recebeu o presente mais importante foram elas. 


  Uma coleção-cápsula-homenagem para falar de afeto, de família, de uma conexão que não se desfaz. Minha avó, Dona Yara, como era chamada por um antigo namorado, foi uma presença sempre muito forte na família e falar sobre ela através do meu suporte favorito de criação é um desejo que vem sendo gestado há bastante tempo e que agora está pronto para ganhar o mundo. Bem dizem que o amor tem seu próprio tempo, né? 

   Gostaria muito que vocês se apropriassem dessa coleção como se fosse de vocês, porque ao falar da minha, esta homenagem estende-se a todas as avós do mundo. Porque no fundo, no fundinho, elas são todas iguais e só mudam mesmo de endereço. Aliás, duvido que a sua avó não faça seu prato favorito, como a minha também preparava. Talvez a sua avó também tenha alguns doces escondidos, exclusivo para os netos e provavelmente ela também separa algum dinheirinho para colocar discretamente no seu bolso no aniversário ou Natal, exatamente como a Dona Yara fazia.  As avós tem seu jeito particular-igual-a-todas de demonstrar amor e isso é de um significado inestimável. 

   Para desenhar essa coleção revisitei fotos antigas, ouvi histórias, conheci minha avó de outro jeito. Descobri que ela foi mil mulheres durante a sua vida e que eu só conhecia uma parte de tudo que ela foi e construiu. Teve suas fases, seus penteados, seus looks que acompanharam as passagens do tempo. Me inspirei nas roupas que ela usou ao longo da vida: golas, decotes V, peças bem alinhadas vestidas quando ela era mais jovem; roupas mais amplas, com elásticos, coloridas e estampadas quando era mais madura. Misturei recordações, desejos, saudade e materializei um montão de sentimentos em cada detalhe. 

    Também desenhei duas estampas: a primeira é sobre a felicidade de estarmos juntas; representei eu e minha avó dançando lindamente. Dona Yara sempre gostou de comemorações e nós passamos muitos momentos absolutamente felizes nas festas de Natal, Páscoa, aniversários, e tantas outras datas, do calendário oficial ou fora dele, como quando descobria-se um dente novo na boca ou se aprendia a ler uma palavra mais complicada.  Nestas ocasiões, a casa ganhava uma roupagem nova, decorada e enfeitada com carinho por arranjos por ela mesma criados. O ar festivo era, então, respirado desde o portão de entrada. A segunda padronagem remete ao lar e suas particularidades. Desenhei uma estampa inspirada nos azulejos que ainda existem na casa onde ela vivia. Apesar das cores preto e laranja originais terem sido alteradas, mantive os traços principais do desenho que, pra mim, fala sobre simplicidade e a sorte de ter um refúgio, um porto seguro, uma morada para viver. 

   Um lugar cheio de cortinas, colchas, almofadas e guardanapos de crochê feitos pelas mãos de uma avó que cozinhava e fazia cafunés como ninguém. De suas criações em crochê, uma ficava sobre a máquina de costura que ela eventualmente me emprestava quando eu ia fazer cursos na cidade onde ela morava. Escondido entre crochê e máquina de costura ela deixava bombons e bilhetinhos para quando eu me aventurava a costurar em sua máquina (que só era emprestada para mim). Será que meu carinho pelos fazeres manuais é uma afetuosa herança que recebi fora de qualquer testamento e de um valor imensurável? Talvez. 

   Detalhes, afagos e delicadeza.  Acredito que a beleza da vida está em compartilhá-la com quem se ama. 

   Hoje, apesar de não estarmos juntas,sinto-me incrivelmente próxima de minha avó. Guardo até hoje uma mensagem dela dizendo que estava com saudades. Lançar esta coleção é mais do que homenagear esta mulher tão especial, como disse no início. É celebrar um vínculo infinito, iniciado e fortalecido no tempo que estivemos juntas nesta vida.

   Por fim, desejo que, ao apresentar esta coleção, vocês sintam a  carinhosa força da Dona Yara e se aproximem das histórias com suas avós. Que através de cada roupa, pensada nos mínimos detalhes, vocês possam carregar um pouco desse afeto por aí <3 

 

Com amor, da minha história para as suas,

Débora